Quem tem criança ou jovem em casa, evidentemente, está muito preocupado com o impacto que a pandemia está trazendo ao desenvolvimento escolar. Esse tempo em que o aprendizado no modelo tradicional, presencial, foi bruscamente alterado para o ensino online /remoto, certamente interferiu no ensino de conteúdo pedagógico. Por outro lado, a suspensão temporária das aulas presenciais pode se transformar em período valioso se as famílias aproveitarem para outro tipo de ensinamento: o aprendizado socioemocional.

Valores como responsabilidade, autonomia e cooperação também são fundamentais na formação integral do indivíduo. Então, a família pode aproveitar a ocasião para estimular, construir e fortalecer essas virtudes tão importantes. Quer saber como? A gente dá algumas dicas!

Responsabilidades no lar

A responsabilidade é uma virtude que deve ser ensinada desde cedo e que é levada para toda a vida. O exercício desse valor é fundamental e ele pode ser trabalhado em família, no lar. Isso, independentemente da idade.

Nesse período em que passamos boa parte do dia em casa, percebemos a multiplicação das tarefas domésticas. Que tal inserir as crianças e jovens na ajuda desses afazeres?

Para os mais novos, as tarefas podem ser introduzidas até de modo lúdico. Convide o(a) pequeno(a) para um desafio de colocar a roupa suja no cesto ou os brinquedos no lugar. Eles podem, inclusive, participar da limpeza. Como desde cedo os pais são vistos como modelo, não se surpreenda se a criança quiser copiar a ação ao vê-los varrendo a casa. Numa rápida busca pela internet, é possível encontrar kits de limpeza em miniatura. Vale investir nesses mini objetos e, através da brincadeira, ensiná-la mais essa responsabilidade. Essas ideias vão bem com crianças entre 2 e 3 anos.

Com essas crianças, também é possível trabalhar organização. Categorize e separe em diferentes caixas, por exemplo, os brinquedos e ensine que cada um deve ser guardado em seu devido lugar. De maneira divertida, elas aprenderão desde cedo o que é e como fazer a organização.

A organização do quarto pode ser incentivada de forma lúdica

A organização do quarto pode ser incentivada ludicamente

Para crianças entre 4 e 5 anos,  a essas tarefas pode-se adicionar já algumas ações de cuidado. Incentive, por exemplo, que elas reguem as plantas ou até mesmo ponham a alimentação do bichinho de estimação. Dessa forma, elas sentem-se orgulhosas de cumprir obrigações bem importantes na rotina doméstica.

Para crianças de outras idades

A partir dos 6 anos, o leque de responsabilidades no lar pode ser ampliado. Que tal inseri-los na organização e arrumação das compras de mercado? Sim, deixe que eles ajudem a levar o que é da cozinha para a cozinha, o que é do banheiro para o banheiro. Mais além, podem ajudar a guardar os alimentos, enquanto os pais aproveitam o momento para ensinar sobre a importância de uma alimentação saudável.

Para isso, inclusive, caso tenha possibilidade, invista em adequar um espaço adaptado à altura da criança. Uma mini pia, por exemplo, onde ela poderá acompanhar e colocar a mão no preparo da refeição.

Acima dos dez anos, a criança já tem condições de desenvolver ainda mais a cooperação e a responsabilidade. Mais além, consegue construir mais um pouco do caminho da independência. Para isso, tarefas como as já descritas podem ser somadas a outras. Convide o jovem para ajudar no preparo da mesa de refeição.

A inserção das crianças nas obrigações do lar ajudam no desenvolvimento da responsabilidade

A inserção das crianças nas atividades do lar ajudam no desenvolvimento da responsabilidade

Depois, estimule que participe da arrumação da louça. Deixe que ele seque as louças que não apresentem perigo, como garfos, colheres e copos que não sejam de vidro. Ainda que acompanhado, deixe que leve o cachorrinho para passear. São tarefas que representam mais um salto no aprendizado de habilidades diretamente ligadas aos aspectos socioemocionais.

Mais velhos, mais responsabilidades

Acima, destacamos dicas de como desenvolver a cooperação e a responsabilidade desde cedo. Afinal, trata-se de valores que devem fazer parte da formação do cidadão e isso precisa acontecer desde os primeiros anos de vida.

Entretanto, jovens e adolescentes não podem ficar de fora desse aprendizado socioemocional no lar. Nesse sentido, entendemos que, ao chegar nessa idade, o(a) filho(a) já tenha absorvido essas virtudes para sua vida, com iniciativas como as que estão sugeridas nesse texto. Porém, essa construção não para por aí, ela segue sendo desenvolvida e aprimorada.

Para isso, acreditamos que com mais autonomia, mais experiência e mais independência, as responsabilidades também podem ser acrescidas. Quem sabe, o irmão mais velho pode assumir responsabilidades com seus irmãos mais novos? Ajudá-los nas lições, no banho e na hora da refeição são algumas ideias muito construtivas no entendimento de cuidar do próximo, outro valor imensurável dentro dos aspectos socioemocionais.

Leia também: Quarentena: oportunidade para estreitar relações familiares

Estabeleça regras

Se na sua casa existe mais de uma criança ou adolescente, o cuidado para se delegar responsabilidades é maior. Afinal, as atividades devem ser compartilhadas e distribuídas igualmente. Assim, todos passam, vivem e aprendem as mesmas experiências. Claro, respeitando-se sempre a faixa etária de cada um.

Aqui, vale um lembrete muito importante: jamais divida a tarefa por gênero. As tarefas do lar e os aprendizados socioemocionais desenvolvidos nessas atividades acontecem para ambos. Dessa forma, não categorize atividades para meninas e para meninos. Esse tipo de divisão é perigoso e prejudicial para a formação integral do indivíduo.

Uma estratégia bacana e eficaz de organizar a família é através de uma planilha. Pode ser feita à mão mesmo e fixada, por exemplo, na porta da geladeira, local por onde todos passam e a planilha fica bem visível. Nela, faça a divisão de tarefas e dos dias da semana, nomeando a quem cabe cada uma das responsabilidades.

Uma planilha com a divisão de tarefas ajuda na organização de responsabilidades

Uma planilha com a divisão de tarefas pode ajudar na organização de responsabilidades

Caso a tarefa não seja bem executada, prefira instruir pacientemente a que recriminar ou dar broncas. Lembre-se que, em casa, todos nós somos educadores. O aprendizado é mais bem absorvido quando é acompanhado de amor e de carinho. Por fim, elogie as tarefas bem executadas. O elogio serve como uma espécie de combustível. Ele marca positivamente e faz com que a criança elogiada sinta-se estimulada a cumprir com suas responsabilidades. Ela consegue perceber que pode fazer diferença! Isso parece óbvio, mas nem todo mundo faz. Afinal, não é bom quando recebemos um elogio por algo que realizamos? Quem não gosta, não é mesmo?

Muito além da responsabilidade

O ensino da responsabilidade e da cooperação no lar já poderia ser considerado um passo enorme para o desenvolvimento socioemocional das crianças. Entretanto, a prática desses valores em família traz como resultado outras virtudes também consideradas pilares para a formação de pessoas íntegras.

O respeito ao próximo, o autocuidado e a honestidade são apenas algumas virtudes que podem ser aprendidas em conjunto. A disciplina, item fundamental para quem deseja ser bem sucedido na vida, é outro grande valor que pode ser incorporado nesse processo de formação. Isso, sem falar no espírito de equipe e na independência, pontos que acabam sendo estimulados quando a família compartilha o aprendizado por meio dessa força conjunta nas responsabilidades do lar.

Evidentemente, não há como ficar alheio ao impacto que a criança e o jovem terão no conteúdo escolar com essa interrupção no ano letivo. Contudo, nos lares que aproveitarem esse período para o aprendizado socioemocional em família, certamente a percepção não será apenas de perda, mas da construção de outros valores tão importantes quanto o conhecimento cognitivo. Estamos falando não somente em formação de pessoas melhores, mas, quem sabe, também de um futuro e de uma sociedade melhor.

Veja mais matérias sobre habilidades socioemocionais aqui.

Fonte: Líder em Mim